sábado, 14 de abril de 2012

Quem está de fora NEM SEMPRE racha lenha.

É daquelas coisas! Tu ficas deste lado a "rachar lenha" (é o que te dizem), alguém está "lá dentro" a "rachar lenha" também (as personagens assim o acham) e, no final, nenhuma das partes "rachou" nada. É importante dizer que tal expressão tem dois significados bastante distintos consoante os lados que, como ficou bem claro, são opostos. No entanto, e pertencendo eu a "este lado", que é como quem diz, ao "lado de fora", devo pronunciar-me apenas e só quanto a esse mesmo lado. 
Pois bem, assim sendo, começo por divulgar a minha opinião em relação a esse badalado ditado popular "Quem está de fora racha lenha.": como já deu para perceber, ela ficou bem explícita no título "Quem está de fora NEM SEMPRE racha lenha." e é um facto, porque longe vai o tempo (ou, a meu ver, nunca existiu tempo disso) em que só se deve meter (ou mete) nos acontecimentos e factos quem tenha que ver com eles. Am i right?
Neste caso, em particular, e não vou declará-lo aqui, pode dizer-se que, de facto, não tenho grande coisa que ver com o assunto, a não ser o meu conhecimento dos intervenientes e a constante e rápida degradação dos mesmos, e por tudo isso (ou por nada disso, já que não é da minha conta ou não devia ser porque cada um faz de si e consigo o que bem entender) eu fiquei, juntamente com outros "Iluminados" (vou chamá-los assim), de fora a rachar lenha, supostamente. Admito que, durante alguns tempos, rachei forte e feio. Fiquei no meu canto (ou lado, como quiserem, visto que é de lados que estamos a tratar) a apreciar aquele desmoronamento repentino que se fazia sentir todas as semanas, ou dias, nem sei precisar; fiquei "a ver a banda passar"(popularmente falando) e não me atrevi a interrompê-la, apesar de estar totalmente desafinada (metaforicamente falando, desta vez). Devo confessar, e pode não ser agradável, mas perante todo esse degredo e, ainda no meu canto/lado, eu ria-me, porque é como diz outro ditado "Mais vale rir que chorar" e chorar também não resolvia, só me ia fazer dores de cabeça. Fiquei a rir-me e a elaborar teorias com arestas bicudas capazes de justificar tais actos. O certo é que encontrei (e, mais uma vez, já que não declarei o caso, também não vou declarar essas teorias do meu imaginário) um conjunto de conhecimentos que explicam, ou podem vir a explicar, essa ordem de factos que se foram verificando. Encontrei-o, verdade, mas, por mais que fosse capaz de explicar os actos, não é uma justificação válida, de todo!
Os "Iluminados" procuraram-me na ânsia de manifestarem a sua preocupação e partilharem  o seu "conjunto" de justificações possíveis, e têm sido momentos de partilha e comunhão muito interessantes e agradáveis. As nossas teorias são idênticas, os nossos pontos de vista muito certeiros e as nossas "chamadas de atenção" muito directas. Estamos a fazer o nosso trabalho, aquilo que deve ser feito.
Estamos de fora, é verdade, mas nenhum de nós racha lenha. No fundo, não temos jeito e como diz esse grande senhor (ou não) Cristiano Ronaldo "O que tiver de ser, é o que tiver de ser.", que é como quem quer dizer, porque não o diz e nem chega lá perto, "O que tem de ser tem muita força" e sempre teve.

Portanto, um bem haja à LIGA DOS ILUMINADOS!
 Iluminados, a salvar almas há 4 dias!