quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Português (a sério)

É a tua forma de falar, Filipa! Se falasses como as pessoas normais, se calhar, não tinhas quaisquer problemas em fazer-te entender. Mas não, curtes é de frases do género: "Pois, e estou a falar para o éter." em vez daquele simples e usado: "Pois,e estou a falar para o boneco!", não é? É! Então não te admires quando se viram para ti e te dizem: "É aquela tua forma de falar, com aquelas palavras caras.", popularmente falando porque, graças a Deus, não se compram palavras, ainda, e ainda bem porque a esta hora estava mais pobre do que estou.
Na verdade, já me tinham dito isso (sim, no primeiro parágrafo sou eu a dirigir-me a mim, faço-o constantemente, para ser sincera.) mas não liguei, achei sempre que era descabido. Até que hoje, volto a ouvir o mesmo discurso e ousei pedir que me explicasse com exemplos concretos, só para me certificar. O resultado? Raios! Vi-me obrigada a declarar como facto essa opinião mundana e geral que esta gente possui acerca de mim. E mais, vi-me confrontada com exemplos dos quais não me lembro nem fazia ideia que seria capaz, um dia, de os dizer. Eu expliquei-me: "Eu explico-te Francisca, as frases que as pessoas usam no dia-a-dia perdem a piada e são vulgarizadas.", e é verdade. Eu tento só dar outro ar à cena! Acho hilariante o que o meu inconsciente faz sozinho, acho assustador que o meu cérebro assimile e tome, ele próprio, o controlo das minhas palavras sem, sequer, me dar conhecimento. Uma palavra: medo! 
Agora percebo, agora faz-se luz nesta escuridão em que o meu raciocínio se encontrava, agora faz sentido! Por isso é que me questionam sobre o significado de um ou outro vocábulo, de vez em quando. E eu que sempre culpei a capacidade débil de quem o faz ou então, meramente, a falta de interesse na Língua Portuguesa. E com isto, eu deixo um conselho: Interessem-se; Leiam (até o dicionário, se quiserem. Eu faço-o às vezes. Weird --' ); Escrevam; Saibam utilizá-la (a Língua Portuguesa) correctamente (porque devo dizer, às vezes, assusto-me quando vou Blog fora e apanho erros em palavras básicas que tiram todo o brilho ao que está escrito e pretende ser transmitido. E é uma pena!); Achem-se à vontade com ela, dominem-na e naveguem nos imensos termos que possui. E vão ver, falar e escrever português (a sério) é a melhor coisa do mundo! (eu tento sempre, é a minha política e luta.)


(Aposto que vai chegar aqui alguém, vai ler isto e dizer: "Esta gaja tem a mania que é esperta e toda intelectual!", mas é que aposto mesmo. Para que esse tipo de situações seja, devidamente, esclarecido: é mentira. Não me acho nada disso, nunca achei, só desabafei uma realidade minha que me fizeram ver. Eu não sou uma pseudo-sábia ou pseudo-intelectual, de todo. Só gosto de escrever e falar bom português. E sim, se tiver que me espetar contra um erro ortográfico ou de dicção gosto que mo digam. Acho de bom tom, na verdade.Porque, afinal, temos que ser uns para os outros. ) Ah, e apologistas do Novo Acordo Ortográfico, lamento, mas não me identifico e tenho-o como deplorável, por isso mesmo, o meu português é o antigo e anterior a essa nova configuração das palavras.

12 comentários:

  1. Ó que linda! Quem te conhece sabe bem que isso é uma das particularidades que te fazem ser única. Raramente consegues ser directa na resposta, não tinha o mesmo brio se não implementasses as tuas queridas palavras "caras" que te fazem sentir que a resposta está completa. És sempre aquela nerd que uma gaja recorre para saber se está ou não bem escrito.
    E quanto ao Novo Acordo, não podes ser sempre burro velho. Evoluiu! Se esse pensamento se mantivesse ainda usavamos o "Santo Thyrso", por exemplo ( o que não era mal pensado, visto que agora o K, Y e o W fazem parte do nosso alfabeto, assim sempre podias emprega-lo.)!

    ResponderEliminar
  2. Para tu veres há apenas três palavras que mudavam no teu texto, passo a citar "dia a dia", "corretamente" e "pseudossábia". Eu também não aprecio nada este acordo, mas se tem que ser, prefiro habituar-me já, mesmo que ainda não aplique, do que manter-me na ignorância. E isso eu sei que é coisa que odeias : IGNORÂNCIA.

    ResponderEliminar
  3. Cara Francisca, quanto ao "Thyrso" é bem mais antigo do que o português anterior ao Novo Acordo, sendo que eu uso o de 2010 (pensei que fosse óbvio). Eu não prefiro habituar-me a nada, já. Aliás, duvido que me habitue, um dia. Quando e se tiver que o usar, porque ainda há aquela informaçãozinha depois dos artigos do género "Este artigo foi escrito sem influência do Novo Acordo Ortográfico" logo se vê. Até lá,uso e abuso do português de 2010 e mantenho-me na minha IGNORÂNCIA saudável.

    ResponderEliminar
  4. sim , parece que as boas músicas ficaram presas nos anos 80 e assim , mas até à boa música no nossos dias .

    ResponderEliminar
  5. Ó doente, eu sei que é antigo. Daí ter dado o exemplo da evolução do "Thyrso" para "Tirso". Nem eu estou a tentar convencer-te do contrário, nem que quisesse, filha!

    ResponderEliminar
  6. pois, mesmo x)
    vintage, eu também adoro!

    ResponderEliminar
  7. pois era , não precisavamos de muita coisa para sorrirmos .

    ResponderEliminar
  8. Pois, isso é verdade. Não posso contestar.. A gaja é mesmo doente! Não que só tenha uma prima, mas uma já serve.. Exacto, cenas maradas

    ResponderEliminar