quarta-feira, 3 de agosto de 2011

"Amor de Perdição"

Simão Botelho:
"Considero-te perdida, Teresa. O sol de amanhã pode ser que eu não o veja. Tudo, em volta de mim, tem uma cor de morte. Parece que o frio da minha sepultura me está passando o sangue e os ossos.
Não posso ser o que tu querias que eu fosse. A minha paixão não se conforma com a desgraça. Eras a minha vida: tinha a certeza de que as contrariedades me não privavam de ti. Só o receio de perder-te me mata. O que me resta do passado é a coragem de ir buscar uma morte digna de mim e de ti. Se tens força para uma agonia lenta, eu não posso com ela.
Poderia viver com a paixão infeliz; mas este rancor sem vingança é um inferno. Não hei-de dar barata a vida, não. Ficarás sem mim, Teresa; mas não haverá aí um infame que te persiga depois da minha morte. Tenho ciúmes de todas as tuas horas. Hás-de pensar com muita saudade no teu esposo do céu, e nunca tirarás de mim os olhos da tua alma para veres ao pé de ti o miserável que nos matou a realidade de tantas esperanças formosas.
Tu verás esta carta quando eu já estiver num outro mundo, esperando as orações das tuas lágrimas. As orações! Admiro-me desta faísca de fé que me alumia nas minhas trevas!...Tu deras-me com o amor a religião, Teresa. Ainda creio; não se apaga a luz que é tua; mas a Providência Divina desamparou-me.
Lembra-te de mim. Vive para explicares ao mundo, com a tua lealdade a uma sombra, a razão por que me atraíste a um abismo. Escutarás com glória a voz do mundo, dizendo que eras digna de mim. (...)"

4 comentários:

  1. sim , eu percebi que o texto não era teu querida , mas estavam-me a referir aos teus post anteriores estive a ver o teu blog e gostei do que escreveste , e quando voltei a página comentei neste post :o

    ResponderEliminar
  2. bem, pelo menos já não sou a única a não gostar da senhora. Já este livro, ando há tanto tempo para o ler, e estou sempre a adiá-lo, recomendas? :)

    ResponderEliminar